PROBLEMAS

Para 2018, o prefeito de Americana, Omar Najar (PMDB), precisa repensar o desfile cívico de 7 de Setembro. Fato mais sério é a ausências das escolas. Não tem muito sentido desfile sem crianças e jovens envolvidos num ato que visa se envolver mais com o país. As escolas americanenses ficaram fora do desfile de ontem por falta de pagamento de hora extra aos educadores. Outra coisa: muita falação política e desrespeito ao povo com o atraso no início do desfile. Inaceitável, principalmente por conta dos 30 graus na cabeça de quase todos.

JUDITH

Entre alguns jornalistas que cobrem semanalmente as sessões da Câmara de Americana, a vereadora Judith Batista (PDT) é chamada de “Miss Parabéns”. Isso porque não tem uma sessão em que ela deixa de pedir a palavra para parabenizar alguém, principalmente colegas por alguma propositura. Porém, na última sessão, depois dela parabenizar um outro vereador, Judith surpreendeu. No final dos trabalhos ela meteu a boca na administração, principalmente no secretário de Saúde, Nilton Lobo. Reclamou que ele não a atende.

SUPLENTES

Vira e mexe algum suplente de vereador assume cadeira na Câmara de Americana. Porém, a participação deles acaba quase sempre frustrada. Mostram desconhecimento dos assuntos, entram mudos, ficam quietos e saem calados. Apenas votam, mais nada. Os últimos suplentes que assumiram foram Cezar Polidoro e Fran da Padaria.

GHOST

O voto de Guilherme Tiosso (PRP) que apareceu no painel eletrônico na sessão passada, mesmo sem a presença dele em plenário, ainda não foi explicado pela Mesa Diretora. Quem levantou a lebre foi o próprio presidente Alfredo Ondas (PMDB), que percebeu o problema e pediu a desconsideração. Tiosso já tinha ido embora quando seu foto favorável a um requerimento apareceu no painel.

Uma cidadã usou a tribuna da Câmara de Americana para defender uma modalidade esportiva, o Corfebol, além de pedir apoio dos vereadores. Wellington Rezende (PRP) vem vestindo camisa desta atividade. Ela ficou bom tempo falando aos vereadores. E agora? O que os edis farão pelo corfebol? Parece que tribuna legislativa não foi feita para tal.