Finalmente os vereadores de Americana, pelo menos parte deles, resolveu jogar pesado com seus direitos e força do cargo. Ontem, na terceira sessão de 2018, alguns legisladores levantaram temas importantes e sérios, de interesse dos cidadãos. Mesmo sendo a sessão mais curta dos últimos nove meses – apenas 2 horas e meia –, os trabalhos foram otimizados e podem render, nos próximos dias, providências em benefício da população. Mesmo assim, depois da sessão, o vereador Pedro Peol (PV) fez uma crítica ao colegas, dizendo que “eles não estão agindo como vereadores, estão muito preocupados com quantidade de proposituras para que, lá na frente, elas sirvam de estatística na tentativa de reeleição”. Esta crítica de Peol faz sentido, já que, logo na primeira sessão deste ano, em 25 de janeiro, foram 1.006 proposituras entre projetos, requerimentos, indicações e moções. Grande parte deste material impresso tem que ser respondida com outros impressos, gerando gastos e consumindo tempo de dezenas de servidores da Câmara e da Prefeitura. “Um mesmo caso teve oito proposituras, como pode o mesmo problema ser questionado por quase metade da Câmara?”, indagou. Na segunda sessão o volume caiu e ontem os números foram estes: 4 projetos, 16 requerimentos, 259 indicações e 5 moções.

O vereador Odir Demarchi (PR) levantou um assunto importante e teve seu pedido aprovado por unanimidade. Ele quer uma audiência pública, nos próximos dias, para discutir com a população e autoridades as mudanças anunciadas no trânsito. O prefeito Omar Najar (MDB) anunciou que uma empresa especializada sugere mudanças na Rua Dom Pedro, Rua Rio Branco, Viaduto Amadeu Elias, imediações do Welcome Center e Avenida Raphael Vitta, pelo menos. “Não digo que as mudanças estão erradas ou certas. Quero apenas que sejam ouvidos populares afetados com tais mudanças”, justificou. Logo no início da sessão de ontem, outro tema delicado. A tribuna livre foi usada por Lucas Miguel de Almeida que revelou o excessivo número de suicídios em Americana. “Somente em janeiro foram quatro mortes por suicídio, jovens inclusive. Uma pessoa que conheço tentou se matar quatro vezes, estuda, tem apenas 18 anos. Algo está errado e precisamos fazer uma campanha de prevenção”, alertou. Os vereadores se comprometeram a pensar em ações nesse sentido.

ESCOLAS – Outro ponto vital colocado em pauta ontem foi o problema das escolas públicas de Americana, chegando a irritar alguns deles, como Odir Demarchi (PR), Gualter Amado (PRB) e Professor Padre Sérgio (PT). Ocorre que muitas mães estão revoltadas com o mato nas unidades escolares do município justamente na semana da volta às aulas. Foram 45 dias de recesso e a secretária de Educação, Juçara Florian, deve ter esquecido de mandar capinar. Os vereadores prometem cobrar o prefeito de forma intensa para que o problema seja resolvido.